‘Renovamos em uma conversa de dez minutos’, diz Roberto Cavalo

Técnico do Oeste, Roberto Cavalo fala sobre a campanha história na Série B e os desafios do time de Barueri na próxima temporada

De férias após levar o Oeste à inédita sexta posição na Série B do Campeonato Brasileiro, Roberto Cavalo sabe que o desafio será maior no próximo ano. Sondado pelo Criciúma no final da temporada, ele afirma que não teve dificuldades em renovar o contrato para mais uma temporada no Rubrão.

"Foi uma conversa de dez minutos", afirma. A campanha histórica, para ele, teve como aspectos principais a organização e a estrutura em Barueri. Cavalo fará sua quarta temporada no Rubrão, que disputa a Série A2 do Paulista no primeiro semestre. O treinador, contudo, evita colocar o clube como favorito. "Teremos dificuldades". 

Qual sua avaliação sobre a campanha histórica na Série B? Tivemos uma pontuação excelente. O Oeste todas às vezes que disputou a Série B ficou na parte debaixo da tabela, e chegamos ao sexto lugar e brigando até o penúltimo jogo pelo acesso. Com alguns desfalques contra o ABC, tivemos dificuldades de ganhar e perdemos, mas mesmo assim a campanha foi maravilhosa, tanto que foi bastante valorizada pela diretora, o [diretor de futebol] Cidão gostou muito. O ano retrasado se empatasse com o Náutico caía para a Série C. De uma hora para a outra, brigar pelo acesso foi maravilhoso.

O que faltou para o acesso? Faltou uma pontuação melhor no turno. Nós fomos enfrentar o Paysandu no primeiro jogo, viajamos com 18 jogadores num momento difícil e com 40% ainda fora de forma, pois era o começo do campeonato. Perdemos por 2 a 0. Tivemos alguns problemas no começo, porque os jogadores não estavam prontos, até porque demoramos um pouco para a formação da equipe. Agora, este ano, com certeza vamos correr antes, deixar o time preparado, para não termos esse problema mais na Série B.

Como foi a renovação de contrato e não houve sondagens de outros clubes? A renovação foi em dez minutos eu e o Cidão [diretor de futebol do Oeste]. Tive [sondagens], o Criciúma estava anunciando minha contratação, porque no ano passado fizemos 56 pontos e quase subimos também. Fiquei contente com o convite, mas esperei até o último jogo, contra o Goiás. Quando cheguei no vestiário, em dez minutos resolvemos. Acertamos salário, a premiação, e foi conversado rápido. Nos conhecemos bem, eu e o Cidão, será minha quarta temporada no Oeste agora. Dei prioridade ao clube que estava.

No Paulista o time sofreu e no Brasileiro fez essa campanha com briga pelo G4. O que pesou? Na Série A2 cheguei mais tarde em São Paulo. Estava com o campeonato em andamento, não estava legal, o Cidão contratou mais quatro jogadores para reforçar nosso elenco, e tivemos dificuldade. Aprendemos que não podemos demorar muito para começar a ganhar no campeonato. Se você fizer uma boa Série A2 e conseguir manter o time para o começo da Série B pronto, sai na frente. Tivemos uma A2 muito mal neste ano e tivemos que remontar o time. Aprendemos que isso não pode acontecer.

Como avalia o desempenho do time na Arena Barueri? Na A2 foi difícil, ganhamos alguns jogos apertados, empatamos, tínhamos uma dificuldade muito grande. Na Série B foi diferente, todo mundo que vai jogar na Arena Barueri apontava o Oeste como muito forte em casa. Se criou uma identidade forte a nosso favor e com a torcida também. Aos poucos levamos 4 mil torcedores e foi conquistando o torcedor, o que é difícil porque é um time novo. E a Arena Barueri nos deu uma condição muito boa porque tivemos um time técnico, a estrutura é invejável. A maneira que a cidade acolheu foi muito importante, dando as condições de trabalho, Centro de Treinamento que poucos têm, com moradia, alimentação. Tudo o que nós não tínhamos em Itápolis, tem sobrando em Barueri e com condição de trabalho, aumenta a responsabilidade.

A base da equipe será mantida? A maioria vai ficar. Estamos conversando. Como fizeram um bom campeonato tem o lado financeiro, o Cidão que é o responsável pela montagem do time está se desdobrando para mostrar as condições do clube. Ele falou que vai prometer e cumprir como sempre fez, porque não adianta prometer e não cumprir. A maioria, 60% dos jogadores que estavam na Série B, já estão acertados com o Oeste.

Entra como favorito na Série A2 do Paulista? Estamos entrosados, mas não existe favorito, Até porque todos os clubes que não tem calendário no segundo semestre estão treinando. Isso dificulta bastante, pois estamos de ferias. O jogador começa em janeiro fora de forma, percentual de gordura a parte física abaixo. Aí pega um adversário pronto e teremos dificuldades. Pela campanha que fez na Série B foi boa, mas se pegar a da Série A2 não foi boa, o time já estava bem abaixo. Rodolfo, Mazinho, Betinho, Leandro Amaro, Robert são jogadores já prontos para qualquer tipo de campeonato. Raphael Luz, os meninos da base, temos uma base boa. Mas Joilson tem que renovar, o próprio Rodolfo, o Mazinho está cheio de proposta para sair, a gente não sabe ainda quem vai ficar. 

Vôlei Nestlé intensifica treinamento para clássico...
Hinode Barueri perde e cai para quinto na Superlig...